Segunda-feira, 6 de Abril de 2009

Cansaço

"Por trás do espelho quem está
De olhos fixados nos meus?
Alguém que passou por cá
E seguiu ao deus-dará
Deixando os olhos nos meus.
Quem dorme na minha cama,
E tenta sonhar meus sonhos?
Alguém morreu nesta cama,
E lá de longe me chama
Misturada nos meus sonhos.
Tudo o que faço ou não faço,
Outros fizeram assim
Daí este meu cansaço
De sentir que quanto faço
Não é feito só por mim."

 

Cansaço - Amália Rodrigues 

 

Vera às 16:00

| Comentar |
7 comentários:
De Flyer a 6 de Abril de 2009 às 16:37
Podes crer.

Amália Rodrigues, tem uns bons fados, eu adoro a voz dela.
Ela também já cá naum vive :(
De ameninadaesquina a 6 de Abril de 2009 às 18:04
Gostei, apesar de não ser do meu tipo de musica gostei xD
Beijo.
De Marta a 6 de Abril de 2009 às 18:37
A minha mãe tem um infantário e geralmente até aguento bem quando me chateiam. Mas odeio quando estou a fazer algo por eles, neste caso a ensiná-los, ajudá-los, estar puramente na boa e ter de levar com brincadeiras destas o tempo todo. Eu não estava a ser paga para lhes ensinar, é algo que costumo fazer porque os professores da associação estão-se a cagar pros putos. Desisti deles. Há uns que me derretem toda, outros que se pudesse levavam com a prancha na cabeça.

Gostei muito do fado. Tenho alguns cd's da Amália mas raramente os oiço. Nem sei porquê ... porque gosto.
De loira incompreendida a 6 de Abril de 2009 às 21:18
já visito o blog há algum tempo. cada vez gosto mais.
De Leticia a 6 de Abril de 2009 às 23:25
Poema lindo, voz igualmente poderosa, resultou numa boa escolha querida :)
criei um novo blog, espero a tua opinião.
beijinho.
De My Simple Life a 7 de Abril de 2009 às 14:43
Gostei muito. Nunca gostei de fado, mas sempre gostei da maneira da Amália exprimir as suas emoções e experiências pessoais.
Ás vezes também sinto que o que faço, não é feito só por mim. Talvez seja um tipo de cansaço psicológico.
Beijinho
De ♥ - (ego) a 7 de Abril de 2009 às 15:14
Tens um prémio no meu Blog.
Beijinhos :)

+

Ver perfil

 
Emoção que abafa a lógica:
As palavras da menina-mulher que vive, que ama, que chora de tanto rir e que ri para não chorar.